Certificações responsáveis: uma tendência ou uma necessidade? Parte 1 - O Meio Ambiente.


Certificações Responsáveis: uma tendência ou uma necessidade?  

Parte 1 —  Meio Ambiente.

Por Adson Naccarati

Nesta série de postagens sobre as certificações responsáveis, vamos conversar um pouco sobre a situação atual dos pilares principais que apoiam esse tipo de reconhecimento.

As chamadas certificações responsáveis, são um grupo de certificações baseadas em normas com focos muito específicos, que se deslocam do eixo mais clássico de garantia de produto e serviço.

As certificações responsáveis têm um foco muito claro em transparência de atividades, tentando garantir a qualidade, não só do produto e do serviço em si, mas sim da própria condução da organização que os produz ou os fornece.

Esta qualidade da organização, é definida como sendo a capacidade que a organização tem de realizar as suas atividades, sem se tornar um fator negativo para alguns valores impactantes à qualidade de vida da sociedade.

Dentre esses valores, temos o respeito ao meio ambiente, o respeito à saúde e segurança ocupacional, a transparência na governança, o respeito à comunidade, à sociedade e às leis. 

Como exemplo de certificação responsável, temos a ESG, B-Corp., certificações baseadas na ISO 14001, ISO 45001, ISO 37301, selo verde, entre outras iniciativas.

Alguns pontos são comuns à essas categorias de certificações e reconhecimentos. Nesta série de postagens, vamos falar de conceitos gerais sobre esses assuntos, nos quais esses reconhecimentos são baseados.

Vamos falar neste artigo sobre meio ambiente.

Sem sombra de dúvida, as boas práticas em relação ao meio ambiente são definidas de uma maneira muito completa na norma ISO 14001.

Uma organização que tem o reconhecimento da ISO 14001, certamente estará apta a passar por qualquer reconhecimento de norma responsável neste quesito.

Porém, neste contexto, os reconhecimentos responsáveis avaliam principalmente as iniciativas que as organizações têm em relação à questão ambiental.

Por exemplo: uma organização certificada ISO 14001 pode ter um estudo de impactos ambientais completo, com suas medidas mitigatórias definidas, mas pode carecer de políticas mais robustas de conscientização de suas partes interessadas sobre questões ambientais.

O exemplo dado acima sintetiza a diferença básica de uma avaliação simples da norma ambiental, e de uma avaliação dentro de um reconhecimento responsável, como, por exemplo, ESG ou B Corp.

Caso a empresa ou organização tenha a pretensão de além de ter uma certificação sobre uma norma, ter ainda um reconhecimento responsável mais abrangente, o fator determinante são as iniciativas que impactam positivamente nas ações não só da organização, mas também das partes interessadas às quais ela influencia.

Vamos ver alguns exemplos de iniciativas bastante interessantes para quem tem pretensão à esses reconhecimentos.


Programas 3R

Trata se de um programa de conscientização e de montagem de procedimentos operacionais práticos com foco em 3 princípios de conservação ambiental:

— Redução do consumo de recursos naturais, algo como diminuir o consumo de papel, por exemplo, substituindo por arquivos eletrônicos;

— Reuso de consumíveis, para diminuir seu consumo. Um exemplo seria o uso de apenas um copo plástico, para apenas uma pessoa, durante todo o dia de trabalho, evitando o uso único e depois o descarte.

— Reciclagem - como o nome já diz, evitar a produção de poluentes e lixo, transformando consumíveis usados em novos produtos.


Transporte solidário

Trata-se de um programa que fomenta o transporte solidário entre funcionários e colaboradores, diminuindo se a necessidade de transportes individuais independentes, através de adequação entre horários e trajetos, por vezes realizadas pelo pela própria área de planejamento de uma organização.  Objetiva diminuição de consumos de combustível e produção de poluentes.


Programa de gestão de recursos

Trata se de um programa global na organização, considerado também plantas remotas, objetivando a redução de consumo de recursos naturais e energia, tomando parâmetros de consumo, e fixando metas de redução, como, por exemplo, água e energia elétrica.


Programa de compras responsáveis

É um programa que objetiva focar o máximo possível de aquisições, incluindo matéria-prima, nos fornecedores que apresentarem programas ambientais consistentes, certificações ISO 14001 ou similares. Este programa é uma forma de fomentar a iniciativa ambientalmente correta nos parceiros comerciais.


Investimento responsável

São programas de investimento, focado em iniciativas de preservação ambiental, normalmente formados por entidades não governamentais, cuja operação demanda de doações e investimentos voluntários.


Conscientização corporativa

São programas de conscientização focados em funcionários e fornecedores, realizados pela organização, objetivando o aumento da consciência ambiental destas partes interessadas. Podem ser realizados em formatos de eventos, e até de cursos de formação voluntária.


Clean Purchase

Trata se de realizar aquisições de produtos e serviços preocupados com o desempenho ambiental, por exemplo, produtos que tenham suporte no final de sua vida útil. Dentro desta iniciativa, ainda temos os produtos que não utilizam materiais agressivos ao meio ambiente, como, por exemplo, metais pesados, ou ainda soluções de produtos que produzam uma menor quantidade de poluentes ou consumam uma quantidade de energia menor de que seus semelhantes. 


Concluindo


Poderíamos aqui elencar muitas outras iniciativas. O que devemos pensar agora, é que muito mais de atender uma certificação, uma norma ou uma legislação, ser uma empresa responsável daqui para frente, vai além desta linha de atendimento mínimo.

Os sinais de desgaste de nosso meio ambiente são claros. A necessidade de atitudes positivamente impactantes, com relação ao meio ambiente, torna-se cada vez mais obrigatória, e a sensibilização já chegou ao consumidor final.

Já não é mais um diferencial, ter uma atitude ambiental ou socialmente correta. Os impactos financeiros do não alinhamento com essa tendência serão cada vez mais drásticos.

O mercado espera a atitude ambientalmente correta. E quem fez esta tendência foi o consumidor.

Muitas linhas de investimento que impactam nos créditos, consideram essas questões como determinantes.

O objetivo de toda a organização, principalmente as de fins lucrativos, é tentar estar em um bom posicionamento perante os olhos de seu cliente e do seu mercado. Atualmente não é suficiente você ter um bom produto com preço justo, pois isso seus concorrentes também têm. A postura socioambiental já faz parte de sua situação cadastral.

Um argumento que hora ou outra ouvimos das organizações que ainda não entenderam a situação atual, é que as questões ambientais incluem custos incompatíveis com a  operação. 

Nada mais longe da verdade.

Uma grande parte de um programa ambiental está no combate ao desperdício e ao consumo de recursos, em outras palavras, focado na diminuição de custos.

Outra parcela importante do programa, foca em atendimento legal, ou seja, cumprir sua obrigação perante o governo local, evitando multas, processos e outros danos financeiros, estes sim, incompatíveis com qualquer operação.

E ainda, de quebra, você valoriza sua marca, apresentando-se como empresa ambientalmente responsável.

Pense nisto.


Na próxima matéria desta série vamos falar sobre responsabilidade social.

Sucesso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A privacidade e o caso do WhatsApp

O que WhatsApp ensinou ao Facebook

As Leis de Murphy aplicadas à Liderança e Administração