Branca de neve e a Qualidade ISO 9001

Ok, vamos nos situar no tempo...

Todo mundo conhece a história de uma jovem princesa, que por provocar ciúmes em sua madrasta, que por acaso era bruxa, acabou comendo uma maça ruim, etc.. e tal.


Mas o que ninguém sabia, era que , depois dos fatos apurados, créditos concedidos e prêmios da academia, a jovem tornou-se rainha em seu conturbado reino.


Sim, conturbado. Imagine voce leitor, um reino onde uma Bruxa tinha um mandato político, que a princesa legítima estava desaparecida, e volta, assumindo o governo nos braços do povo (na verdade sete anões) com o apoio político de um príncipe estrangeiro com segundas intenções...era quase o Brasil.

Quando assumiu seu trono, ao lado do príncipe supra referido, Branca de Neve, doravante Branca, viu-se deparada com algumas situações preocupantes:


-O reino produzia seus bens e serviços há muitos anos, e acumulava reclamações e processos no Procon;

-A liderança era boa e conhecia profundamente todos os negócios do reino, mas não dialogava direito;
-As máquinas , o castelo todo aliás, estava novo em folha, aliás a Bruxa anterior gostava de uma reforma, construções, licitações, etc... estas coisas...mas nada funcionava.

Branca por sua vez, tinha uma cabeça aberta. Digamos que raciocinava fora da caixa. Não ligava muito para reclamações sobre situações as quais não controlamos, como o tempo, as chuvas, e a concorrência desleal dos outros reinos. Acreditava piamente que tudo dependia de seu próprio talento, e que os problemas se não resolvidos, podem ser contornados.

Foi ter com seu príncipe. Contou-lhe seu desejo de evoluir o reino e tornar-se referência de Qualidade. Ela gostava muito da definição Excelência em Produtos e Serviços.

- Sabe Branca, disse o príncipe - Você tem boas intenções e é comprometida, mas não vamos alterar time que está ganhando. Você acaba piorando as coisas.
- Juvêncio! (talvez o primeiro e único príncipe com este nome...) quanta falta de visão e energia! respondeu Branca. Os outros reinos estão nos passando e nossos preços vêm caindo. - E não me venha com o discurso de crise! O Reino da Bela Adormecida fechou ano passado com um belo PIB...e nem acordada ela estava!

- Certo Branca, falou o príncipe sem tirar o olho do celular, e totalmente desatento,- pode reformar o banheiro...

Branca convenceu-se que tinha que tomar sozinha a decisão. Porque ele nunca me ouve? Depois preciso ver o que tanto ele fica naquele celular, pensou Branca, andando em direção a porta do castelo.

A primeira coisa então é arrumar uma boa equipe para esta mudança. Falou em equipe, lembrou-se, lógico, dos 7 anões. Eles seriam ótimos vetores da mudança

Pensou primeiro num líder. O primeiro que lhe veio à mente era o ZANGADO. Um bom capataz. Mas depois de pensar melhor, ela precisaria de um Líder, e não um simples chefe.  Alguém que cativasse pelo respeito e tivesse a serenidade necessária para garantir a constância de propósito. Então lembrou-se do MESTRE.
Mestre era o anão mais sereno, focado, inteligente e principalmente aberto à mudança. Bingo!

- Bom dia Mestre! Quanto tempo! - Disse Branca ao entrar na cabana do Anão.
- Majestade! Sempre linda e jovial! Sente-se e venha tomar um chá mate!
- Obrigado Mestre, mas me dê um de capim cidreira ou folha de maracujá. Estou precisando mais destes...

E Branca relatou rapidamente a situação para o Mestre.

Assim que terminou a narrativa, (Branca sabia ser bem teatral) o Mestre continuou tranquilo, para surpresa de Branca, que sentia-se fraca e perdida com aquilo tudo.

-Majestade, disse calmamente o Mestre - depois que a Bruxa morreu, eu e o espelho mágico montamos um pequeno negócio de consultoria. Já fizemos muitos trabalhos pelo reino. O Dunga mesmo, tem uma linda e lucrativa fazenda de maçãs. Nós o ajudamos a trabalhar da melhor forma possível e seu processo produtivo já é certificado.


-Já ouvi falar das maçãs dele. Mas nunca provei nenhuma, confessou Branca, - tenho um certo trauma disso...
-Claro majestade, entendo. Mas pode comer à vontade, o processo dele é certificado, conforme a ISO 9001.


-Este certificado, prossegue o Mestre, - aponta para toda a sociedade, que o Dunga sabe bem o que faz. Em resumo , bem resumido, um sistema ISO 9001 é um conjunto de boas práticas, garantindo que tudo é feito e pensado da melhor forma, e a empresa tem capacidade de prevenção e reação aos problemas.

-Certo Mestre, mas isto vai sair caro, afinal certificados, procedimentos, metas, indicadores estas coisas acabam engessando o reino. Isto é para reinos maiores. Nosso reino é diferente. Quero resolver de forma mais simples.

-Majestade, o jeito mais barato e mais simples é ter qualidade em tudo que se faz. E quanto a engessar o reino, é uma questão de fazer esta implantação com inteligência, e para isto , estou aqui.

Branca olhou para o Mestre com um imenso ponto de interrogação no rosto. Aquilo fazia sentido? Contudo, resolver os problemas de uma organização, planejando e sistematizando as coisas não parecia ser incongruente.


-Certo Mestre. Vamos começar. Afinal você é o especialista. Quem vamos demitir primeiro? Que tal o Príncipe e o maldito celular dele?

- Majestade, se tudo sair como imagino, não vamos demitir ninguém e sim contratar!

No dia seguinte bem cedo, Mestre chegou ao castelo, acompanhado de alguns dos anões. Iniciou com uma mesa redonda onde mostrou para todos do reino, quais eram seus objetivos, o que era um sistema de qualidade e quais as vantagens para todos.

Perguntas e perguntas. Mestre tinha uma enorme paciência e carinho com todos. Não deixou sequer uma única apreensão, e o clima era de serenidade e confiança. O príncipe Juvenal não ficou na reunião. Tinha compromissos mais importantes que a ISO. Branca passou um briefing  para o Príncipe pelo Whatsapp, ele estava sempre on line mesmo...

Alguns meses depois, todos os processos do Reino de Branca estavam à todo vapor. Monitorados e sob controle inteligente. Os processos conversando entre si. Reclamações passaram a ser uma ferramenta fundamental de melhoria. Zangado saiu da prisão pela oitava vez e foi contratado para avaliar os riscos e prevenções. O RH retirou o Atchim da produção de pimenta e sua alergia melhorou. Está feliz inspecionando produtos.

Aos poucos, o reino de Branca começou a exportar a ótimos preços por ter conseguido a confiança do mercado.
A própria equipe já pensava em alçar maiores vôos. A produção de carruagens já trabalhava numa certificação ISO TS 16949, e a recente indústria de balões e zepelins se preparava para a AS 15100.

Todas iniciativas não seriam possíveis, se não tivesse existido alguém com iniciativa, arrojo e profissionalismo, como Branca. E o premio maior, a certificação formal, finalmente chegava.

Expectativa de todos. O Auditor da Qualidade chegava aos portões do reino. Vindo de um reino distante, o Auditor independente faria a auditoria recomendando ou não o Reino de Branca a receber o almejado certificado.

Os portões abriram e uma forte névoa verde entrou acompanhando a figura do auditor.

- Malévola! gritaram todos.

-Bom dia a todos, disse a auditora. Em primeiro lugar obrigado por escolher a nossa certificadora....

E a auditoria correu conforme o esperado. Malévola, digo, a auditora, só anotou uma não conformidade, por que o príncipe
Juvêncio não participou da análise crítica. Feito um plano de ação e resolvida a questão, o Reino de Branca foi certificado e agora todos vivem felizes...até a auditoria do ano que vem!




Comentários

  1. Criativa abordagem sobre realidade das empresas e seus desafios! Quantos príncipes Juvencio/Juvenal nós temos espalhados por aí!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Roberto. Pelo menos temos as Brancas-de-neve compensando e fazendo a diferença.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A privacidade e o caso do WhatsApp

O que WhatsApp ensinou ao Facebook

As Leis de Murphy aplicadas à Liderança e Administração