Dr. Jekyll e Mr. Hyde - uma aventura nos Recursos Humanos

Bem mais do simples ficção,(O médico e o monstro) a natureza humana é capaz de desenvolver facetas de personalidade com o passar do tempo. Talvez uma reação evolutiva de adaptação do indivíduo às mudanças de meio, mas o fato é que existe e está presente em nossas empresas e organizações.

Um fato recente me colocou em uma situação curiosa, mas infelizmente comum. E lembra muito a obra de Stevenson de 1886...

Um dia destes, fomos solicitados para apoiar uma escolha entre 5 candidatos escolhidos pelo RH. A idéia, era ter a opinião técnica da consultoria, afinal, a contratação iria fazer parte da equipe do projeto.
Contratado nosso homem, doravante Dr. Jekyll, inciou-se um brilhante trabalho. Em pouco tempo conseguiu a admiração e respeito dos colegas e da empresa. Conseguimos com o Dr. Jekyll, 3 certificações, e abertura de mais 5% do share de mercado.

Passaram-se alguns anos. E a carreira de Dr.Jekyll ia muito bem obrigado.

 O Fato

Um dia, fui informado da inevitável demissão de Dr.Jekyll. A explicação era clara: atrasos constantes, falta de atenção, erros primários, desinterêsse, ANTI-PROFISSIONALISMO.
Questionei sobre o RH. A resposta mais rápida que minha pergunta: tentaram de tudo mas ele nega qualquer problema.

Um profissional é um "bem" muito caro. Anos de treinamento, novo processo seletivo, tempo de adaptação, mudança de cultura etc.. etc.. resolvi  pessoalmente perguntar à ele, que um dia ganhou minha confiança e se mostrou digno, porque tornara-se Mr.Hyde, o bárbaro.

Com a bênção e esperança do empregador do Dr.Jekyll, cara a cara com sua nova identidade: Mr.Hyde, o monstro.


Fui direto: Por quê, o grande Dr.Jekyll, passou a ser Mr.Hyde, o instável?

As resposta, simples quanto a pergunta: "Não sou reconhecido aqui", "Meu salário defasado", "promessas não cumpridas", "benefícios pequenos", e por aí foram-se meia hora de desabafos.

A resposta não me surpreendeu. Eu escuto isto de profissionais há mais de 30 anos. A questão aqui não é por quê. A questão é Mr. Hyde, o problema

O que estou fazendo mesmo?

Quantos de nós não tem motivos para se desmotivar? Concorrência desonesta, problemas pessoais, Corrupção na política etc.. Quem não tem críticas ao seu empregador, chefe, condições de trabalho etc?
O que nosso trabalho tem a ver com isto? Por algum acaso, quando seu dia é ruim no trabalho você deixa de escovar os dentes?
A velha canção de que "eu trabalho mal porque ganho pouco" não faz sentido. Todo o trabalho, admiração e sucesso do Dr.Jekyll, estão sendo sabotados por Mr. Hyde, o terrorista de currículo.

Não adianta você ser excelente no seu emprego e ser lembrado depois como não profissional, irresponsável e incompetente. E é isso que você vai ganhar com esta atitude.
Acha-se injustiçado? Dê o seu melhor. Não pela sua atual empresa, a chance do seu empregador mudar a cultura empresarial é mínima, mas faça por VOCÊ.

Nós não temos o direito de nos sabotar. E também isto não serve de vingança contra alguém que, afinal, um dia te deu uma chance.
Esgote todas as oportunidade de diálogo. Fale com seu chefe, seu RH, ou quem vc achar que deve. Exponha sua necessidade de forma profissional. Se não for ouvido, amigo, seu lugar não é mais lá.

Casamentos acabam, amizades acabam e porque empregos não? Já deu pra você. É hora de procurar alguém que esteja te valorizando. Então faça seu melhor e saia por cima. Deixe saudades e aquele sentimento de que " perdemos um excelente profissional e a culpa foi nossa".
Projete sua saída e tenha paciência. Trocar de emprego não está sendo uma tarefa fácil.

Ademais, o fato de vc ter uma postura "rebelde com causa" não vai melhorar seu salário ou qualquer coisa. Só vai botar fogo no seu Currículo. E você vai acabar sendo desligado, talvez em uma péssima hora.

E para você, empregador ou profissional de RH, que confia neste país e gera emprego, preste atenção. Não crie a poção que transforma Dr.Jekyll em Mr Hyde.
Ou você terá muito o que reclamar. E na maioria das vezes, um bate papo azeita a relação profissional.

Vamos prestar atenção e entender o que estamos fazendo. Criar um CV é bem mais que relacionar empregos e cursos, mas sim criar uma carreira de sucesso verdadeiramente. Haja sempre com inteligência e sempre se questione.

Quanto a Dr.Jekyll? Nunca havia pensado desta forma. Segundo ele, estava achando-se "no direito de agir assim, tipo Mr.Hyde , o vingador". 
Uma lógica estranha não é leitor?

Eu acho que esta lógica é mais ou menos, como tentar arrumar um relacionamento,  colocando no perfil do Facebook : " mal educado, grosso e avesso à banho".

Tenho minhas dúvidas se daria certo...


Sucesso para você!

Comentários

  1. Epa! Cuidado com esse negócio de incursão na minha área! Kkkk! Muito bom o artigo, Adson! Sempre gostei dos clássicos de Stevenson ( que por sinal chamava-se Robert), Doyle, Wells, Stoker, Twain; assim como dos quadrinhos de ficção e mistério.
    Quem nunca se sentiu na pele de Jekyll e cedendo à natureza negativa de Hyde? Quando a desmotivação torna -se o catalisador do que há de pior em nós?
    O comportamento organizacional é realmente um campo de estudos fascinante, mas o quanto ainda há para se descobrir sobre a percepção humana e seu papel neste universo?
    Lembra do Schwartz?: " O homem sábio é dono de sua mente; o tolo seu escravo"!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Roberto. Este problema é muito comum. É como uma inversão de objetivo, e os danos ao próprio profissional são grandes. Uma das armadilhas corporativas do nosso tempo, e que nós , consultores, precisamos estar atentos, para cada vez mais orientar e tornar as pessoas mais profissionais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A privacidade e o caso do WhatsApp

O que WhatsApp ensinou ao Facebook

As Leis de Murphy aplicadas à Liderança e Administração